Ex-presidente do CAU/MS vira réu por fraude em contratações

Justiça Federal de Campo Grande aceitou denúncia contra Osvaldo Abrão de Souza e Elias Pereira de Souza
Justiça Federal de Campo Grande aceitou denúncia contra Osvaldo Abrão de Souza e Elias Pereira de Souza

O ex-presidente do CAU-MS (Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso do Sul), Osvaldo Abrão de Souza, e o atual procurador jurídico do órgão, Elias Pereira de Souza, viraram réus em processo que apura fraude às regras de contratações públicas.

A denúncia do MPF (Ministério Público Federal) foi aceita pela Justiça Federal de Campo Grande. De acordo com artigo 89 da Lei nº 8.666/1993, o crime prevê pena de detenção de 3 a 5 anos, além de multa.

Conforme a denúncia, Osvaldo, quando era presidente do CAU-MS, usou o cargo para beneficiar Elias Pereira de Souza, dispensando licitação “por meio de manobras” para a contratação direta de serviços especializados de advocacia e consultoria jurídica. Desde 2012, porém, eram confiados esses serviços a Elias, sendo como pessoa física, ou pessoa jurídica.

Ainda segundo o MPF, ex-presidente do CAU-MS chegou a indicar o filho de Elias para a Comissão de Licitações do órgão. “O procurador jurídico, por sua vez, formou mais de uma empresa de prestação de serviços jurídicos, com as quais sempre sagrava-se vencedor nas licitações do CAU-MS”, disse o órgão, por meio de nota.

Para o MPF, ficou claro o favorecimento do amigo do ex-presidente, que hoje conselheiro da entidade. “O objetivo da contratação para o cargo em comissão não foi o legítimo exercício de nomear pessoa de confiança, e sim, em claro desvio de finalidade, favorecer indevidamente uma pessoa que, de outro modo, não teria obtido vínculo com a Administração Pública”, declarou o MPF.S

Em nota, o CAU-MS afirma que a ação não se trata de fraude, mas de contratação irregular.  “O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de Mato Grosso do Sul informa que já foi notificado pelo MPF (Ministério Público Federal) sobre processo movido contra o ex-presidente da autarquia e o procurador jurídico Elias Pereira de Souza. O CAU/MS esclarece que a apuração não se trata de fraude, mas de contratação irregular. A investigação do MPF, com relação às licitações para prestação de serviços jurídicos, foi arquivada em 2016. A contratação para cargos comissionados, objeto da ação civil pública, é prerrogativa discricionária do gestor público, não sendo um procedimento licitatório. Os denunciados já apresentaram suas defesas e aguardam um pronunciamento da Justiça.”

Avalie este post

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Nosso site usa cookies para melhorar sua experiência. Saiba mais sobre: política de cookies
0 Compart.
Compartilhar
Pin
Telegram
Twittar
WhatsApp